Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

A vingança involuntária

A tríplice coroa do PSV em 1988

Contra o ADO Den Haag, na penúltima rodada do Campeonato Holandês da temporada 2017/18 – já conquistado –, o PSV estreava seu novo uniforme de visitante, todo branco, com pequenos detalhes em azul. O motivo: foi vestindo um exatamente igual que o clube de Eindhoven conquistara a Copa dos Campeões, havia trinta anos, contra o Benfica. Mais do que isso: com o título europeu, os Boeren conseguiam a tríplice coroa – campeões nacionais, do campeonato e da copa, e a conquista continental (ainda hoje, a Holanda é o único país europeu com dois clubes que conseguiram a tríplice no futebol). Atuação histórica. E até impressionante, tendo em vista o que o PSV passou do começo da temporada 1987/88 até o glorioso fim, naquele 25 de maio de 1988, no então Neckarstadion, em Stuttgart, local da final europeia. 

Gullit sai. E nem o bicampeonato diminui a crise 

A rigor, o projeto de tornar o PSV um clube definitivamente forte estava estabelecido desde que Jacques Ruts assumiu a presidência, em 1983. Justo: mesmo tendo conquistado a Copa da UEFA em 1977/78, e já com quatro títulos holandeses até aquele ano, os Boeren nem de longe eram conhecidos mundialmente, ou respeitados, como o Ajax ou o Feyenoord. Tratava-se de um clube relativamente respeitável, até tradicional e grande, mas não chamava a atenção fora das fronteiras nacionais. 

Ruts esclareceu o projeto, em declaração ao livro “PSV 1988: reconstructie van een gouden jaar” (“PSV 1988: Reconstruindo um ano de ouro”, em tradução livre), do jornalista Jeroen van den Berk, lançado em 2008: “Tínhamos três variantes que poderiam ser escolhidas, incluindo as projeções financeiras. A primeira: continuar do jeito que estávamos, o que significava que periodicamente venceríamos títulos nacionais, mas que em termos internacionais raramente nos destacaríamos. A segunda variável já era mais ambiciosa: num espaço de três anos, ganharmos a Eredivisie ou a Copa da Holanda uma vez, e chegarmos alguma vez às quartas de final da Copa dos Campeões. O terceiro cenário previa que o PSV se tornaria um clube de ponta na Europa, jogando regularmente semifinais e finais continentais. Então, escolhemos a segunda opção. Não só esportivamente, mas também por causa do aspecto organizacional.”  

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Uma capital sem derby

DWS, o clube de Amsterdã que fez frente ao Ajax É algo comum nas grandes capitais europeias a rivalidade entre ... (Continue lendo)

A lenda do Jogo da Morte
Ilustração: Guga Dias da Costa

Um outro olhar sobre o time que supostamente derrotou o nazismo Em 1981, o filme Fuga para a Vitória fez ... (Continue lendo)