Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Ato 2: Tore Andre Flo

No final dos anos 1990, TV por assinatura era um serviço consumido majoritariamente pela classe média-alta em nosso país. Só quem podia pagar pelo produto conseguia acompanhar futebol internacional. Outro caminho era acompanhar os tabelões da Placar ou o recém-lançado jornal Lance!, que davam um bom destaque para a cobertura de futebol europeu naquela época.

Copa do Mundo sempre foi um “lugar de luxo” para a apresentação de jogadores totalmente desconhecidos em mercados desconectados, como o norueguês e o brasileiro, por exemplo. Era assim até o início dos anos 1980. Poucos jogadores jogavam fora de seus países. Aqueles que decidiam deixar a sua terra, acabavam, muitas vezes, abdicando de disputar um Mundial ou então se naturalizavam, como ocorreu com Di Stéfano e Puskás, que vestiram a camisa vermelha da Espanha.

Porém, em 1998, a globalização já estava em curso. A Premier League já começava a dar seus primeiros passos rumo à internacionalização. O calcio concentrava grande parte dos melhores jogadores do mundo. Real Madrid e Barcelona contratavam estrangeiros a peso de ouro. Na França, o PSG atraía jogadores brasileiros e africanos e, na Alemanha, o Bayern já se impunha economicamente diante dos demais rivais, ainda que o Dortmund tivesse acabado de ser campeão europeu — mas terminaria praticamente falido anos mais tarde, por não conseguir competir em alto nível sem se endividar. Na Holanda, aconteceria quase o mesmo com o Ajax, que vendeu todo o seu time campeão da Champions League em 1995 e vice em 1996 e atravessou uma profunda crise nos anos 2000. Os novos tempos estavam chegando e aquele mundo que todos conheciam parecia estar datado.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Ato 1: Zidade

França'98 em onze atos

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.