Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

As veias abertas de um “planisférico” racista

A representação colonialista e do ódio racial global através do futebol

Qual o lugar do negro no futebol? O discurso de aceitação de negros como abrandamento de racismo a partir da presença de atletas afrodescendentes não cola. Por quê? Pela nítida carência de ex-atletas exercendo cargos superiores à função de jogadores. O retrato mais cruel dessa realidade se dá a partir do número de treinadores negros que comandaram e comandam as seleções africanas. Ali a representação colonial sempre esteve presente — ao longo do século XX e dos anos que se segue..

Desde um insulto até o holocausto. Do preconceito ao ódio. O nível de manifestação é diferente, mas existem lugares silenciosos onde o racismo quase não é percebido, ou quando o é, logo é justificado com argumentos superficiais, caindo em lugares comuns como a vasta presença de jogadores no futebol brasileiro ou o fato do maior jogador tupiniquim ter sido um negro. Racismo não é somente o que acontece no Leste europeu ou na Rússia quando as torcidas se manifestam contra jogadores negros do próprio time com insultos, ameaças ou lhes atirando bananas.

Como explicar então a escassez de treinadores negros no futebol, não apenas no Brasil, mas a nível global? Talvez os próprios negros não se sintam confortáveis em, primeiramente, exercer uma função de liderança ou serem liderados por outros negros. Afinal, a história sempre colocou o homem branco em posições superiores.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Marselha 1998

Uma eliminação muito dolorida Ao contrário do que possa parecer, a Holanda não se desespera por não ter um título ... (Continue lendo)

Preto no branco na democracia
Ilustração: Guga Dias da Costa

Os caminhos que levaram o Corinthians ao Brasil inteiro Morumbi, 14 de dezembro de 1983. A partir de um contra-ataque, ... (Continue lendo)

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.

Deixe seu comentário