Cristina Kirchner, Julio Grondona (ao fundo) e Maradona na apresentação do programa Fútbol para Todos em 2009 (Foto: Presidencia de la Nación)

Juan Román Riquelme

Siga el baile

Cristina Kirchner conseguiu na Argentina o que parecia improvável em qualquer país tradicionalmente boleiro: apropriar-se do futebol local como forma de alimentar a propaganda oficial do governo em troca de transmissões “gratuitas” — pagas pelos contribuintes, claro, fossem eles torcedores ou não. No entanto, é preciso contextualizar o que provocou a intervenção do Estado.

Mantenha-se informado sobre nossos textos e produtos. Receba descontos exclusivos.
Assine a nossa newsletter.