Foto: Caio Resende/Pexels

Ditadura Militar

Huracán, a paixão proibida

Nos anos 1960, o cinismo tomou de assalto o futebol argentino. Quase nada já sobrava da herança emocional da La Nuestra, a escola de artesãos com chuteiras que tinha formado esse DNA de jogo platense até ao desastre que foi a viagem da Argentina à Copa da Suécia, em 1958. No meio do caos emocional, da violência e da impunidade, o futebol argentino voltou a apaixonar-se por si mesmo no dia em que seu caminho se cruzou com o do Globito. A saga do Huracán de César Menotti demonstrou aos gauchos que havia uma porta para viajar no tempo para o seu passado mais memorável em algum lugar do velho, mas inesquecível, El Palacio.

Mantenha-se informado sobre nossos textos e produtos. Receba descontos exclusivos.
Assine a nossa newsletter.