Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Do Kasımpaşa para Ancara

A relação do premiê turco com o futebol

Dos primeiros passos da infância ao poder, o futebol foi peça-chave na trajetória do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan. O homem que um dia dedicou seu suor aos campos passou a ser tratado como um ditador de mãos de ferro por seus opositores e críticos na vida política. Fortalecido após a tentativa de golpe militar sofrida em julho de 2016, Erdoğan seguiu com considerável apoio popular e ainda tinha no futebol um importante termômetro, afinal, é deste esporte que surgiam importantes aliados, ao mesmo tempo em que apareciam as mais destacadas reações.

A bola, o limão e o simit

Nascido em 26 de fevereiro de 1954, em Istambul, Erdoğan passou parte de sua infância em Rezi, cidade costeira às margens do Mar Negro. Antes de descobrir sua predileção pelo poder, ajudava sua família como muitos garotos já fizeram: vendendo limonada. Além do suco, comercializava também o simit, um tradicional pão turco de forma redonda, coberto por gergelim. Nas horas vagas de trabalho e estudo, ele se divertia jogando futebol. Um chute na bola aqui e outro acolá, e logo o menino passou a levar a sério o esporte. Entre 1969 e 1982, atuou como jogador semi-profissional, inclusive vestindo a camisa do Kasımpaşa, clube que já foi um dos temores das principais equipes do país. Foi através dele que Erdoğan chamou a atenção do Fenerbahçe, time do coração do futuro político, mas seu pai impediu a transferência. Ou era estudo, ou era a bola. Ainda assim, o fato de ter sido um jogador de futebol é motivo de grande orgulho para Erdoğan. Em seu antigo site oficial, inclusive, era destacada a vida esportiva do então primeiro-ministro turco como fator preponderante para a aquisição de disciplina e espírito de equipe. Um ano antes de pendurar as chuteiras, se formou em Ciências Econômicas e Comerciais na Universidade de Marmara, local em que começou a participar ativamente da política. Foi nessa época também que casou com Emine Gülbaran, mãe de seus quatro filhos.

Sua carreira na política definitivamente começou quando foi eleito presidente de um departamento de jovens do Millî Selamet Partisi [Partido da Salvação Nacional, em tradução livre], um partido político islâmico que teve suas atividades encerradas após o golpe de 1980. Durante o governo militar, Erdoğan trabalhou na área contábil e administrativa do setor privado. Durante a faculdade, conheceu Necmettin Erbakan — que foi o primeiro ministro no biênio 96/97, obrigado a deixar o cargo por pressão dos militares. Erbakan serviu como um mentor do jovem estudante e aspirante ao poder. Após o fim daquele governo militar, em 1984, foi criado o Refah Partisi [Partido do Bem-Estar Social] e Erdoğan foi escolhido como líder distrital de Beyoğlu, bairro de Istambul. Aos poucos, foi conquistando a confiança dos membros do partido e, em consequência, elevando sua popularidade e alcançando cargos mais importantes. Dez anos depois de entrar de cabeça na política, Erdoğan enfim sentia o gosto do poder. Em 1994, foi eleito o primeiro prefeito islâmico de Istambul, fato que lhe trouxe problemas três anos depois, ao ler um poema do poeta otomano Ziya Gökalp durante um pronunciamento, considerado um atentado à laicidade do estado e aos valores seculares de Mustafa Kemal Atatürk, o homem que fundou a Turquia. Com isso, Erdoğan teve de renunciar ao cargo de prefeito e foi condenado à prisão, cumprindo pena entre os meses de março e julho de 1999, além de ver o partido do qual era filiado ser extinto. Talvez a obsessão de Erdoğan pelo judiciário, e também pela censura, tenha nascido após esse episódio.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Colónia de exploração

Pau-brasil, cana de açúcar, ouro, diamantes, gado, cacau e jogadores de futebol. As riquezas exploradas por Portugal no Nordeste brasileiro ... (Continue lendo)

Siga el baile
Cristina Kirchner, Julio Grondona (ao fundo) e Maradona na apresentação do programa Fútbol para Todos em 2009 (Foto: Presidencia de la Nación)

Cristina Kirchner conseguiu na Argentina o que parecia improvável em qualquer país tradicionalmente boleiro: apropriar-se do futebol local como forma ... (Continue lendo)

Deixe seu comentário