Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Quinze minutos com Givanildo

Quinze minutos podem ser quase nada, ou uma eternidade, dependendo do contexto. É bem apertado, por exemplo, para sair de Olinda de carro e chegar ao Centro de Treinamento do Náutico, no bairro da Guabiraba, zona Norte do Recife. Para resenhar com alguém que tem 599 partidas com a camisa do Santa Cruz, e mais dez pela Seleção, além de boas temporadas a serviço de Corinthians e Fluminense, então, é um intervalo ínfimo. Mas para entender quem é e como pensa Givanildo Oliveira, quinze minutos na companhia dele é tempo até de sobra.

Por trás do semblante sério e enxuto que o técnico mostra diante das câmeras, não há absolutamente nada. Givanildo é um sujeito uno. É exatamente o que aparenta ser: um homem franco, que sabe onde pisa e tem consciência plena do valor de seu trabalho. Um profissional vitorioso, que conquistou a admiração de torcidas imensas sem jamais perder a simplicidade. Um eterno inquieto que, aos 68 anos, se considera realizado, mas dá cada treino como se fosse o último e não abandonou o hábito de traçar metas e sonhar.

Às vésperas de um jogo decisivo do Timbu pela Série B de 2016, contra o Atlético Goianiense, dava para ver que Givanildo estava fazendo um sacrifício para receber a Corner. Ele é daqueles que não têm, nunca, tempo a perder — sobretudo quando o líder do campeonato era o próximo adversário. Mas a pressa para iniciar os trabalhos da tarde logo foi deixada de lado pelo técnico, que respondeu a todas as perguntas com a calma e a franqueza que o tornaram uma das figuras mais admiradas do futebol brasileiro — exceto no Sul e Sudeste, onde seu carisma se resume ao folclore.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Macaquito

Grafite, Baiano e o racismo no futebol argentino Dois jogadores de futebol, duas alcunhas: Grafite e Baiano. Duas histórias que ... (Continue lendo)

Diego Lugano
Fotos: Fernando Martinho

Fotografias: Fernando Martinho De mate em mate, uma volta ao mundo Inversamente proporcional ao tamanho do pequenino Uruguai, pode-se considerar ... (Continue lendo)

1 Comments

  1. julianoortiz

    agosto 25, 2021

    “Você acha que a questão do sotaque dificulta?”

    Está: Não, porque o sotaque deles é uma porcaria também.

    GIVANILDO É PATRIMÔNIO DO FUTEBOL BRASILEIRO!

Deixe seu comentário