Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

O jogador verbo

A camisa 12 era o desejo por um motivo: o número usado Marco Van Basten na Eurocopa de 1988, lenda holandesa e ídolo de Ajax e Milan, inclusive de Thierry Daniel Henry, atacante francês revelado pelo Monaco e com passagem pela Juventus. Ele fez tal pedido quando se transferiu da Velha Senhora para o Arsenal, em 1999. Infelizmente, Christopher Wreh já era o dono do número, o que abriu espaço para a história ser feita com a 14. Com ela, virou o maior jogador da história do clube e também artilheiro, com 228 gols, transformando-se em lenda dos Gunners e sendo alçado ao patamar de gigantes como o “Mr. Arsenal”, apelido pelo qual é carinhosamente conhecido Tony Adams, o “homem de um clube só”.

Artilheiro francês da Copa do Mundo de 1998, com três gols, Henry não costumava falhar dentro ou fora de campo. Em Highbury, no empate em 1 a 1 contra o Panathinaikos pela Champions League de 2004, o francês marcou o gol, mas não comemorou, somente encarou os torcedores atenienses por alguns segundos. A atitude foi uma resposta aos gregos, que o insultavam imitando o som de macacos. Algo similar ocorreu na partida entre Arsenal e PSV Eindhoven, em setembro de 2002, na qual o atacante do clube inglês, autor de dois dos quatro gols do duelo, foi alvo de preconceito pela torcida holandesa, que atirou objetos e entoou frases racistas nas vezes em que ele pegava a bola para cobrar escanteio.

O episódio de maior repercussão – para não citar as várias situações ocorridas na seleção francesa, promovidas pela própria torcida, por líderes políticos e por intelectuais —, foi em 2004, quando o então técnico da seleção espanhola, Luis Aragonés, deu uma declaração racista contra Henry. O espanhol falou ao atacante José Antonio Reyes, companheiro do francês no Arsenal, que alguns jogadores têm que ver as coisas de maneira mais clara e mandou que dissesse “para aquele negro de merda que você [Reyes] é melhor que ele [Henry]. Diga isso a ele por mim. Você é melhor”. O  jornal inglês “The Telegraph” noticiou o fato na época. Quando questionado, o treinador respondeu não ser racista, que tudo não tinha passado de uma brincadeira, já que estava somente tentando preparar o seu jogador psicologicamente. Reyes também alegou que tudo não passara de um momento de descontração durante um dia pesado de treino. Aragonés foi multado em três mil euros. 

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
O herói

Herói: 1. homem notável por suas realizações ou bravura, 2. indivíduo que suporta sofrimentos ou que arrisca sua vida para ... (Continue lendo)

O artilheiro esquecido

Lothar Kobluhn esperou 37 anos para receber o troféu mais esperado de sua carreira. A história do único volante a ... (Continue lendo)

Deixe seu comentário