Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

O matador que o Brasil não quis

O Brasil teve alguns dos melhores artilheiros da história do futebol, uma tradição que remonta a Friendenreich até aos dias de hoje. Mas só dois jogadores brasileiros conquistaram a cobiçada Bota de Ouro para o melhor marcador das ligas europeias. Um deles foi Ronaldo Nazário no seu ano de sonho em Barcelona. O outro foi Mário Jardel, que venceu o troféu duas vezes, nas temporadas 1998/99 e 2001/02.

Na temporada 1999/00, Jardel também foi o maior artilheiro da Europa com 38 gols. Mas o coeficiente aplicado às cinco principais ligas — Inglaterra, Itália, França, Espanha e Alemanha — determinou que Kevin Phillips, que anotou 30 gols na Premier League, ficasse com a Bota de Ouro. O britânico terminou a contagem com 60 pontos, enquanto o brasileiro ficou em segundo, com 57. Teria sido o terceiro prémio de Mário Jardel. O matador que o Brasil rejeitou.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
O ladrão da Seleção

O roubo do relógio no Charles de Gaulle

Lamar Hunt US Open Cup

Nova Iorque, abril de 1913. O encontro de uma pequena delegação no Astor House Hotel foi o primeiro passo para ... (Continue lendo)

Jornalista e escritor. Autor dos livros “NOITE EUROPÉIAS”, “SONHOS DOURADOS”, “SUEÑOS DE LA EURO” e “JOHA: A ANATOMIA DE UM GÊNIO”.Futebol e Política têm tudo a ver, basta conectar os pontos.O coração de menino ficou no minuto 93 da final de Barcelona.Estudou comunicação na Universidade do Porto e morou mais de uma década em Madri.

Deixe seu comentário