Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

O peregrino, o arquiteto do indizível e o pequeno grande homem

Grandes mitos de uma pequena terra no meio do imenso sertão

O peregrino

Nova Vila de Campo Maior, 13 de março de 1830. Nasce Antônio Vicente Mendes Maciel. Nessa época, um pequeno povoado perdido na caatinga do sertão do Grande Ceará. A única maneira de buscar um sopro de esperança era ingressar na carreira sacerdotal. Mas não foi assim. Antônio perdeu a mãe muito jovem, aos 4 anos de idade. Há relatos que sua madrasta o maltratava. Reza a lenda que, após a morte de seu pai, quando já tinha 25 anos, ele teve que tocar os negócios da família sozinho, na mesma casa onde cresceu, impedindo-o de vez de seguir o sacerdócio. E foi em 1856 que a localidade foi elevada à condição de cidade com o nome de Quixeramobim pela lei estadual Nº 770.

Em 1857, Antônio casou-se com uma filha de um tio seu, Brasilina Laurentina de Lima, e se mudam pra Sobral. Lá, começou a se sustentar como professor de primário, dando aulas para filhos de comerciantes e fazendeiros. Mais tarde, começou a atuar como advogado, sempre defendendo os mais pobres em troca de pequenas quantias, um gesto nobre.

Começou a migrar de povo em povo, buscando novos mercados para seus ofícios. Chegando a Ipu, em 1861, flagra sua esposa o traindo com um sargento da polícia. Desolado, migrou para Cariri, mais ao sul da região, um local onde flagelados e penitentes abundavam. Iniciou ali suas peregrinações pelos sertões.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
A URSS que ainda existe
Foto: Mike Kononov

A resistência soviética em um clube Um país dentro de um país, com nostalgia de um país que já não ... (Continue lendo)

Madrid quase catalão

Mas um clube não deixou acontecer As imagens foram fortes, tanto nas ruas de Barcelona, naquele 1º de outubro de ... (Continue lendo)

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.

1 Comments

  1. julianoortiz

    agosto 13, 2021

    PELO AMOR DE DEUS!
    Como Colorado que sou, tendo perdido a voz de tanto grital naquele 17 de dezembro de 2006, eu não sei nem o que dizer a respeito deste texto. Seria algo indizível?
    Cara, que texto maravilhoso, Fernando. Que texto espetacular!

    Parabéns!

Deixe seu comentário