Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

O caminho diferente para um fim igual

Após turbulências, a Holanda poderia ter ganho a Copa de 1978. Poderia…

“A Laranja Mecânica encantou o mundo, na campanha dos vice-campeonatos mundiais, nas Copas de 1974 e 1978.” Depoimento como esse já foi escrito e lido inúmeras e inúmeras vezes. De fato, com relação ao torneio sediado na Alemanha, não há contestações em relação ao teor da opinião. Todavia, o mundial ocorrido na Argentina entra de lambuja sem poder. Sim, a Holanda foi vice-campeã mundial em 1978, com vários dos jogadores que haviam marcado época havia quatro anos. Mas fez um caminho totalmente diferente para chegar ao mesmo fim. 

Nas eliminatórias, ainda Cruijff 

Totalmente diferente porque, para começo de conversa, não haveria em 1978 o galvanizador da equipe que impressionara quem gostava de futebol. A rigor, desde 1974, Johan Cruijff já anunciava que aquela fora sua primeira e última Copa do Mundo. Para muitos, em razão de uma história para sempre presente no anedotário holandês de futebol: a reportagem publicada pelo diário alemão “Bild”, dias antes da decisão de 1974, dando conta de uma festa na piscina do Waldhotel Krautkrämer, em Hiltrup, concentração da Oranje naquele torneio, envolvendo jogadores (Cruijff entre eles) e prostitutas. No dia seguinte, “Bild” publicado, Danny Cruijff, esposa do camisa 14, teria ligado ao marido e o feito prometer que nunca mais jogaria outro torneio. Uma das teorias, entre tantas ligadas à reportagem.

Também vigorou a teoria de que o “Nummer 14” não aceitaria ir à Argentina como protesto pelo regime militar que comandava o país-sede desde 1976. Ou então, que um prêmio menor da federação holandesa caso viesse o título mundial teria sido o estopim para a recusa. Não adiantou Cruijff, em 2012, revelar a razão real: um sequestro-relâmpago sofrido pela família, na própria residência de Barcelona, em setembro de 1977, que o fez preferir manter a segurança com Danny e os filhos Jordi, Chantal e Susila. Sempre haverá quem promova boatos sobre o porquê de Cruijff não ter tido a sua segunda chance em 1978.

Pelo menos, o símbolo maior do futebol holandês esteve na campanha tranquila das eliminatórias da Copa. Por sinal, tranquilidade necessária, após as turbulências da Eurocopa de 1976. No grupo 4 da qualificação europeia, seis jogos – contra Bélgica, Irlanda do Norte e Islândia –, cinco vitórias, um empate e liderança absoluta. A base era a mesma de 1974: lá estavam Arie Haan, Wim Jansen, Wim Rijsbergen, Ruud Krol, Wim Suurbier, Johan Neeskens, Willem van Hanegem, Robert Rensenbrink, os irmãos Willy e René van de Kerkhof, Johnny Rep… mais alguns destaques domésticos de então, como Jan Peters, Hugo Hovenkamp e Kees Kist, trio que fazia sucesso no AZ. Sem contar Ruud Geels, goleador de sempre no cenário interno, artilheiro da Eredivisie por quatro vezes seguidas, entre 1974/75 e 1977/78. 

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Don’t go away

A relação entre Liam Gallagher e o Manchester City

Metamorfose Mundial

Inauguração do McDonald's em Moscou em 31 de janeiro 1990 já dava indícios de que nada mais seria igual depois ... (Continue lendo)