Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Every “Corner” of the world

Neste último texto como editor da Corner, vou usar primeira pessoa pela primeira vez. Não há o que lamentar na caminhada até aqui. Editorialmente, a Corner seguirá bem representada. As limitações que o orçamento impõe se transformaram, na verdade, num alto padrão jornalístico. Mais checagens, mais leituras. Isso só enriqueceu a revista. Talvez a idéia inicial fosse mais prazerosa de ser executada, com viagens, conversas, personagens contando suas visões, tudo mais leve. E isso até que foi feito. Mas acabamos também desbravando um caminho de pesquisa, com textos carregados de informações que visavam a sempre plasmar um cenário complexo e provocar uma reflexão sobre aquele lugar ou assunto.

Foi o caso da URSS. Inicialmente, estavam previstas várias pautas. E até por isso existe este texto, nesta última página, pra tentar preencher os buracos deixados. O tema Democracia Corinthiana acabou rendendo muitas entrevistas, e não gosto de editar muito o que é falado, sempre entendo que se algo foi dito na entrevista é porque faz algum sentido. Então, nada mais justo que deixar o papo fluir e dar a quem lê a oportunidade de tirar as próprias conclusões.

Em relação à União Soviética, faltou falar mais sobre esse território que ocupava uma fração importante do mundo e sobre aquilo que ele se tornou, usando o futebol como fio condutor. Afinal, vários personagens ligados a clubes permitem contar essa relação. Também seria legal ter viajado um pouco mais pela Rússia ou por qualquer outra ex-república soviética. Só pude ir a Moscou antes da publicação deste número.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Newell’s Old Boys

A história do curioso nome de um dos maiores clubes da Argentina

Editorial
Foto: Fernando Martinho

Istambul: onde o mundo se cruza. Não é preciso ler a respeito e muito menos ter um guia turístico. Chegando ... (Continue lendo)

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.

1 Comments

  1. julianoortiz

    novembro 01, 2021

    Que bacana prestigiar as edições anteriores da Corner até chegar a este edição #7, enquanto atuaste como editor e também autor de alguns textos. Pelo que entendi, a partir da edição #8 atuarás – exclusivamente – como autor dos textos, indo a fundo no cantos mais remotos para trazer bons relatos.

    Vamos!

Deixe seu comentário