Futebol não é para meninas. Diziam. Elas provaram o contrário. A Milly Lacombe prova o contrário no manifesto desta edição. As meninas do Dick & Kerr’s também já tinham provado que lugar de mulher é onde elas quiserem. A Cristiane chutava as cabeças das bonecas como se fossem bolas porque menino pode brincar de boneca e menina pode brincar de bola. Menino pode vestir rosa. Menina pode vestir azul. Aliás, pode vestir azul e amarelo do Boca, como a série fotográfica Bomboneras que rodou o mundo mostrando a paixão feminina pelos Xeneizes.

Onze. Número da camisa da Cris. A maior artilheira do futebol olímpico que estampa a capa Corner #11, casualidade numérica. Mas um time de onze jogadores não poderia não ter uma jogadora. E não é só uma. Ela representa milhões de brasileiras que vão imitá-la nos gols de cabeça e seguir com essa quebra de paradigma na cabeça. Mulher pode e deve ocupar espaços no futebol: no campo, no banco, nos estúdios. Onde ela quiser.

De volta à Idade da Pedra, a Copa de 1990 ocupou um espaço doloroso na memória do brasileiro. Uma copa ruim? Talvez. Mas Copa é como pizza, até quando é ruim é bom. Pra quem gosta de muito gol essa Copa foi detestável. A última em que se pôde recuar para os goleiros pegarem com as mãos. A última com a velha regra de impedimento. A primeira depois do maior gol de todos os tempos de Maradona.

Maradona, que jogou sem tornozelo de tão inchado, levou a Argentina a uma segunda final consecutiva. A coisa foi tão sofrida que para os mais românticos como João Saldanha lhe custou o que restava de vida. A Copa de 1990, na Itália, foi uma ode ao Catenaccio italiano, era o melhor futebol da época. Três zagueiros em quase todos os times, inclusive o Brasil. Saldanha não tinha mais saúde pra suportar aquilo. A Copa não matou o João Sem Medo do coração, mas tirou as suas últimas energia e ele morreu onde queria, como ele mesmo disse antes de embarcar: “é a minha última Copa. Se morrer, que seja em Roma”. Dito e feito. Dias após a sofrida final entre Alemanha Ocidental e Argentina, faleceu o antigo presidente do clandestino Partido Comunista no Brasil.

Com ele, também morria o comunismo soviético. Foi a última copa da fragmentada Alemanha Ocidental, a última copa da União Soviética que tanto quis ter realizado esta edição do Mundial, mas o ocidente e seu sistema capitalista decidiria a favor dos italianos a sede daquela Copa. Brasil e Holanda perderam pra si mesmos, mas também perderam pros finalistas dessa Copa que todos deveriam amar e não odiar. Foi a última copa como eram os Mundiais antigamente. Era um evento que promovia o encontro de desconhecidos e provava quem era quem entre deuses e mortais em noites de Turim, que deixaram Gascoigne para a eternidade entre os humanos ou como tardes, no mesmo Stadio Delle Alpi, que colocaram Caniggia no olimpo dos semi-deuses do futebol mundial.

X