Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Dorados y Calientes

É provável que não haja adjetivo mais utilizado — e desgastado — como sinônimo de latinidade que “caliente”. O estereótipo se constrói em referência à vibração e ao tal poder de sedução atribuídos, sobretudo, aos hispanohablantes. Neste mundo de simplificações, o adjetivo cai como uma luva sobre os mexicanos, apesar de serem eles, curiosamente, os latino-americanos com o território mais isolado em relação aos de seus “irmãos”. É justo ali, mais precisamente onde México e Estados Unidos se encontram, que “caliente” vira também substantivo, e o futebol se desenvolve lado a lado com a contravenção.

O lema de Tijuana — maior e mais populosa cidade do estado mexicano da Baja California, extremo noroeste do país — afirma: “Aquí empieza la pátria”. Todavia, o fato de ser um município fronteiriço cujo limite norte coincide com o da vizinha San Diego, já em território yankee, faz com que a “Esquina do México” seja na verdade a porta de saída para quem deseja fazer a vida na maior potência econômica do planeta. Também por esse motivo, Tijuana sofre tanto com a violência relacionada ao fluxo de migrantes que tentam acessar os Estados Unidos ilegalmente, quanto com o tráfico de drogas que dominou a região.

É nessa realidade caótica que surgiu a mais jovem força da elite do futebol mexicano. No dia 14 de janeiro de 2007, nasceu o Club Tijuana Xoloitzcuintles de Caliente. Nos seis primeiros anos de existência, los Xolos tiveram uma ascensão repentina: no fim de 2011, tornaram-se os primeiros representantes da história de Baja California a figurar na primeira divisão do futebol azteca — a Liga MX —; conquistaram o seu primeiro título mexicano no Torneio Apertura de 2012 e só foram eliminados da Libertadores de 2013 por causa do critério de gol qualificado, depois de dois empates contra o Atlético Mineiro de Ronaldinho, já nas quartas-de-final. O pênalti do colombiano Duvier Riascos — milagrosamente defendido pelo pé esquerdo de São Victor — impediu a vitória e a classificação da equipe comandada pelo técnico argentino Antonio Mohamed no Estádio Independência, a um minuto do fim do jogo. Um crescimento tão rápido e precoce só foi possível graças ao aporte financeiro do fundador e dono da equipe, Jorge Hank Rhon, um magnata com passagem pela política e um pezinho no crime organizado.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
URSS 1990

Reunião do Politburo com as presenças de: Mikhail Suslov, Viktor Grishin, Leonid Brezhnev, Yury Andropov, Mikhail Zimyanin, Konstantin Chernenko e ... (Continue lendo)

O herói

Herói: 1. homem notável por suas realizações ou bravura, 2. indivíduo que suporta sofrimentos ou que arrisca sua vida para ... (Continue lendo)

Jornalista graduado pela FACHA. Gaúcho que vive no Rio (mais um). “Goleira” é o conjunto de traves, “gol” é quando a bola entra. Tem uma queda pelo futebol cantado em castelhano e geralmente joga melhor quando ninguém está vendo. Amante de futebol, música, história, cinema, fotografia e apaixonado pelo jornalismo. Do pescoço pra baixo, tudo é canela.

Deixe seu comentário