Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Die photo van Euro

A controvérsia de uma fotografia logo após a Eurocopa de 1996

Thierry Baudet — autor do livro ​“Indispensáveis fronteiras, por que o supranacionalismo e o multiculturalismo estão destruindo a democracia​” — defende que a Holanda deixe a União Européia. Fundador do partido ​Forum voor Democratie ​[Fórum pela Democracia], Baudet ficou conhecido também por seu euroceticismo bem aflorado e se opôs abertamente à imigração africana na Europa. Tal oposição remete diretamente ao Suriname, Curaçao, além de toda a presença holandesa na África e Ásia. Há como imaginar um time da Holanda sem um Gullit, Rijkaard, Seedorf ou Davids?

Uma fotografia tirada logo após a Seleção Holandesa ser eliminada pela França na Eurocopa de 1996 retratava um suposto racismo no elenco. Eram três mesas e os negros daquele time — Clarence Seedorf, Patrick Kluivert, Michael Reiziger e Winston Bogarde —, estavam sentados juntos em uma só ao fundo da imagem. O treinador à época, Guus Hiddink, aparecia no centro da foto, visivelmente irritado com o clique. A imprensa — de maneira sensacionalista ou não — repercutiu a derrota de outra maneira a partir do registro fotográfico, afinal, após o 0 a 0 em 120 minutos, o jogo foi para as penalidades e Seedorf perdeu o quarto pênalti da série que eliminou os holandeses. Certamente havia uma amizade entre os jogadores que iniciaram suas carreiras na mesma época no Ajax, além de uma proximidade cultural por serem todos oriundos do Suriname, fosse por nascência, no caso de Davids e Seedorf, ou por serem filhos de surinameses como Kluivert, Reiziger e Bogarde. No entanto, o episódio deixou acesa uma dúvida: se uma sociedade considerada liberal como a holandesa seria capaz de promover uma segregação racial em plenos anos 90.

Thierry Baudet concorreu às eleições presidenciais na Holanda em 2017, vencidas pelo candidato à reeleição, o liberal Mark Rutte, que obteve 21,3% dos votos, derrotando também o ultradireitista — conhecido como Trump holandês — Geert Wilders, com 13,1% do pleito. Thierry ficou em último naquela corrida, atingindo 1,8% dos votantes. Porém, ao se somar os votos dos dois candidatos que priorizaram um discurso xenófobo, a diferença para o primeiro colocado diminui, deixando o sinal de alerta ligado.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Claudio Carsughi
Foto: Pedro Tattoo

Memórias de um “giornalista brasiliano” Recém findava a Segunda Guerra Mundial e mais uma leva do clã Carsughi desembarcava no ... (Continue lendo)

Djalminha
Fotografias: Fernando Martinho

Djalma Feitosa Dias como ele é Uma espécie em extinção em seu habitat natural. Relaxado, à vontade, sem nenhuma formalidade, ... (Continue lendo)

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.

Deixe seu comentário