Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

A capital sem futebol

A descentralização do futebol alemão explicada

É raro encontrar capitais sem times de futebol à sua altura. É precisamente nos grandes centros políticos que se encontram parte importante dos clubes mais fortes de cada país. A Alemanha é uma exceção. Não só Berlim nunca teve um grande time à altura da metrópole, como, nos anos da República Federal da Alemanha, o futebol passou completamente à margem do dia a dia da então capital daquele país: Bonn.

Com o rio Reno passeando tranquilamente a seu lado, Bonn cresceu como uma cidade vetusta e de prestígio, mas, como tantas outras do lado ocidental alemão, presa no anonimato. O final da Segunda Guerra Mundial mudou radicalmente o cotidiano dos seus cidadãos. O país, invadido ao mesmo tempo por quatro exércitos, foi dividido em três partes iguais. Um jogo de tronos se estabeleceu na geografia alemã. Os soviéticos ocuparam de imediato um imenso bocado de terra ao leste e dali tiraram da manga um novo país: a República Democrática. Para responder a essa jogada — que tinha tudo de política e nada de nacionalista —, os alemães persuadiram os Aliados a responderem na mesma moeda. Em 1949, nascia, oficialmente, a República Federal da Alemanha, o país que resgatava das cinzas a velha Alemanha que Hitler tinha precipitado para a guerra mundial.

Na prática, a nova constituição do país reconhecia Berlim como capital, mas havia um importante contratempo: a cidade era um enclave — também ela dividida em duas zonas de influência — dentro da República Democrática e sem contato, salvo pelo ar, com o Ocidente. Como isso tornava, na prática, impossível que o governo se deslocasse para o coração do território inimigo, era necessário criar uma capital alternativa. A sorte calhou a Bonn. Nos trinta anos seguintes, seria aí que o futuro do país e, em grande parte, da Europa seria decidido. Já o futebol alemão, a caminho da hegemonia continental, seguiria por outro curso.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Cartellino rosso
Foto: Bertrand Gabioud

Os tentáculos da Máfia e do crime organizado no calcio É um fato espinhoso de se reconhecer, mas não há ... (Continue lendo)

The Black Power e a ventura de Jair

Memphis, 4 de Abril de 1968. Conhecido sobretudo por seus longos e poderosos discursos, Martin Luther King Jr, um dos ... (Continue lendo)

Jornalista e escritor. Autor dos livros “NOITE EUROPÉIAS”, “SONHOS DOURADOS”, “SUEÑOS DE LA EURO” e “JOHA: A ANATOMIA DE UM GÊNIO”. Futebol e Política têm tudo a ver, basta conectar os pontos. O coração de menino ficou no minuto 93 da final de Barcelona. Estudou comunicação na Universidade do Porto e morou mais de uma década em Madri.