Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

O futuro do pretérito

Alguns clubes argentinos se dedicaram a acumular títulos internacionais em diferentes épocas. O Estudiantes, no final dos anos 60, levantou três Libertadores seguidas e uma Intercontinental. Depois veio o domínio do Independiente nos anos 70: foram quatro títulos continentais consecutivos (1972, 73, 74 e 75), somados aos dois conquistados no meio da década anterior [1964 e 65].

El Rojo ainda conquistou sua sétima Libertadores em 1984, quando adotou a alcunha Rey de Copas. O recorde já dura mais de trinta anos. Nem o Boca Juniors pôde superá-lo. Os Xeneizes dominaram o futebol sul-americano nos anos 2000, conquistando quatro títulos [2000, 01, 03 e 07], além do bicampeonato de 1978 e 79. Por haver superado o Independiente em títulos internacionais, o Boca se apropriou do apelido Rey de Copas, mas, no que diz respeito à Libertadores, o Independiente ainda reina.

O River Plate teve o azar de não poder disputar uma Libertadores com sua lendária La Máquina. O esquadrão existiu durante uma época em que uma competição continental sul-americana ainda era um sonho a ser realizado. No entanto, os Millionarios ainda beliscaram três Libertadores.

Faça login ou crie uma conta abaixo.

Criando uma conta, você tem acesso GRATUITO e ILIMITADO a todos os textos da Corner.

  

Leia também:
Um escândalo na Boêmia
Foto: Fernando Martinho

Durante a maior parte de seus 110 anos de existência, o Bohemians Praha foi um clube humilde e de menor ... (Continue lendo)

O herói

Herói: 1. homem notável por suas realizações ou bravura, 2. indivíduo que suporta sofrimentos ou que arrisca sua vida para ... (Continue lendo)

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.

Deixe seu comentário