Registrar
Uma senha sera enviada para seu e-mail

Quando o Atlético de Madrid venceu a Copa Intercontinental sem ter conquistado a Europa

Por Fernando Martinho.

A FIFA reconheceu — e deixou de reconhecer — como campeões mundiais aqueles clubes que conquistaram a Copa Intercontinental, que era disputada entre os campeões europeu e sul-americano e possuía um formato diferente do atual — em vigor desde 2005, quando a Copa do Mundo de Clubes passou a ser organizada pela entidade máxima do futebol mundial e a reunir os campeões das seis associações continentais.

A Copa Intercontinental começou a ser disputada em 1960, colocando frente a frente o campeão europeu, Real Madrid, e o sul-americano, Peñarol. Os espanhóis levaram a melhor no confronto que era disputado em ida e volta. Após o empate por 0 a 0 em Montevideo, os Merengues venceram por 5 a 1 em Madrid e ficaram com o primeiro título “mundial” disputado.

Até 1968, o saldo de gols nos jogos não era critério de desempate. Era disputado um jogo extra — às vezes em país neutro. A polêmica e violência presentes no confronto de 1967 entre Celtic e Racing fez a disputa passar a considerar a diferença de gols. A violência já era recorrente. Há relatos de que a partida extra entre Santos e Milan, em 1963, foi marcada por subornos e doping por parte dos santistas, segundo a auto-biografia de Almir Pernambuquinho. O ex-jogador, que substituiu Pelé no terceiro jogo contra o Milan, no Maracanã, afirmou que subornaram o juiz argentino Juan Brozzi, mas essa história nunca foi comprovada nem investigada.

Néstor Combin sendo atendido após agressão em 1969

Néstor Combin sendo atendido após agressão em 1969

A competição era organizada e supervisionada por Conmebol e UEFA, o que impedia intervenções e punições da FIFA aos clubes envolvidos. A mesma FIFA se negou a reconhecer o título mundial ou sequer o intercontinental, atribuindo à competição um caráter amistoso. Em 1968, uma carnificina provocada pelos jogadores do Estudiantes de La Plata — que conquistou o título naquela edição — contra o Manchester United, rendeu aos platenses a alcunha de Animals por parte dos ingleses. Matt Busby, treinador do United, se pronunciou dizendo que a FIFA deveria banir o clube de qualquer competição.

A violência explícita se repetiu em 1969, novamente pelo Estudiantes. O Milan era a vítima da vez. O centroavante rossonero Pierino Prati chegou a ficar inconsciente após sofrer uma agressão. Nestor Combin, um argentino naturalizado italiano que jogava no Milan, quebrou o nariz após levar um chute na cara dado pelo goleiro do Estudiantes, Alberto Poletti. Tudo isso negligenciado pelo árbitro chileno Domingo Massaro.

A agressividade foi tanta que o regime militar argentino interveio. O presidente de facto Juan Carlos Ongania demandou à AFA severas medidas em nome do esporte nacional. O órgão leu essas demandas nas entrelinhas e aplicou uma suspensão permanente em Poletti. O goleiro também foi preso pelo regime por 30 dias, junto com Eduardo Manera e Ramón Suárez.

A reputação violenta da competição derivou na recusa em disputar o troféu por parte de vários campeões europeus nos anos subseqüentes. Em 1971, o Panathinaikos, vice campeão da Europa, substituiu o Ajax que havia levantado a taça europeia. O Nacional do Uruguai sagrou-se campeão do Mundial Interclubes ao vencer os gregos.

Adelardo com a Taça Intercontinental erguida

Em 1974, o Bayern de Munique foi o segundo clube a se recusar a disputar o duelo intercontinental, abrindo vaga para o vice campeão Atlético de Madrid. Os Colchoneros perderam o primeiro jogo na Argentina, contra o Independiente, por 1 a 0. Mas no jogo de volta, venceram por 2 a 0 e levantaram o caneco. A partir de então, Liverpool, duas vezes (1977 e 1978) e Nottingham Forest (1979) se recusaram a jogar a Intercontinental. Mas nenhum dos vice-campeões europeus depois do Atlético de Madrid conseguiram conquistar o título.

O desprestígio da competição levou à criação da Copa Toyota, disputada em jogo único, em Tóquio, a partir de 1980, o que convenceu os campeões europeus a participarem da competição anualmente. A disputa durou até 2004 pois, em 2005, a FIFA passou a organizar a Copa do Mundo de Clubes. Em 2000, a FIFA já havia realizado um Mundial de Clubes no Brasil, cujo campeão, Corinthians, ingressou como campeão do país sede. O representante local ainda integra a competição, seja ela disputada no Marrocos, Japão, ou Emirados Árabes Unidos.

Desde então, mesmo após ter conquistado a Libertadores em 2012 e, posteriormente, o Mundial sobre o Chelsea, os corintianos ainda são provocados por torcedores rivais por terem dois títulos mundiais — reconhecidos e organizados pela FIFA — e somente um título continental.

Visite nossa loja virtual e adquira as edições impressas da revista! Os textos publicados nas revistas são exclusivos e não são republicados no site, nem vice-versa. Garanta seu exemplar, colecione e leia a Corner.